Tipos de Exportação: Direta, Indireta e Consórcio

Se deseja ver sua mercadoria adentrar ao comércio internacional, contudo não quer ainda encarar o Comércio Exterior, então você precisa conhecer os tipos de Exportação.

Calma, antes de tudo, entenda que não é necessário chegar com os dois pés no Comércio Internacional.

É possível fazê-lo de forma planejada e no ritmo que lhe permita aprender sobre Exportação, além, claro, de usufruir dos benefícios que a Exportação possui.

Vamos então conversar sobre os tipos de Exportação, como escolher o melhor deles e usar as modalidades para aprender sobre Exportação.

Quais são os tipos de Exportação?

Photo by Chris Pagan on Unsplash

Antes que abordemos cada um, entenda que os diferentes “tipos” não influenciam no conceito de Exportação, que é em suma o envio de mercadorias para fora do território nacional.

A diferença de cada tipo será certamente notada bem antes do Despacho Aduaneiro, possivelmente antes até do produto ficar pronto.

Pois o sucesso de qualquer operação no Comércio Exterior, seja na Exportação ou Importação, está principalmente no planejamento dos trâmites a executar.

E não há como planejar com sucesso sem dominar o assunto.

Veja também: Frete Internacional: O que é e como funciona?

Exportação Direta: o que é?

Na Exportação Direta o dono da mercadoria realiza a exportação diretamente para o destinatário que está no exterior (o Importador).

Esse Exportador pode ser uma indústria ou um revendedor, e ele realizará a exportação sem intermediários, ou seja, ele quem vai:

  • encontrar compradores;
  • negociar a venda; e
  • realizar a exportação junto de seus prestadores de serviço (intervenientes).

Este é o caso das empresas brasileiras que fabricam/compram no Brasil e faz parte de suas rotinas vender no exterior.

Veja também: O que é Armador no Comércio Exterior? Confira os tipos

Exportação Indireta: o que é?

O dono da mercadoria remete-a (normalmente na forma de venda) à uma empresa dentro do Brasil que possui o específico objetivo de exportá-la.

Estas empresas que exportam são, normalmente, as Trading Companies ou Comerciais Exportadoras, que são especialistas em atuar no Comércio Exterior.

Trata-se da modalidade “cada um no seu quadrado”, o dono da mercadoria se encarrega de fabricar/comprar/vender no mercado interno, enquanto a Exportadora se preocupa com a parte do comex.

A Exportação Indireta pode começar com uma Trading Company que localizou um Importador interessado e um fabricante no Brasil, bem como pode ser o dono da mercadoria que encontrou um Importador (ou até foi encontrado por ele) e decidiu utilizar uma Comercial Exportadora como intermediária.

Veja também: Operação Back to Back – Como funciona e quais as vantagens?

Consórcio de Exportação: o que é?

Trata-se da modalidade de Exportação Indireta, com a diferença que diversas empresas se unirão no objetivo de fornecer um ou mais produtos a serem exportados.

A individualidade das empresas se mantém, tampouco é preciso fundar uma nova empresa ou Joint-Venture, a união ocorre por meio de contrato no modelo Arranjos Produtivos Locais:

“são aglomerações de empresas e empreendimentos, localizados em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva, algum tipo de governança e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como: governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa.” MDIC

Esta opção é voltada especialmente para pequenas e médias empresas a fim de conseguir, pelo coletivo, usufruir dos benefícios da escala, tais como:

  • atender demanda de compradores maiores;
  • aumentar poder de barganha para negociar a venda e com os envolvidos na exportação; e
  • diluir os custos da operação.

E, não, não precisa dar um lance maior ou torcer para ter a Exportação contemplada, não é esse tipo de consórcio.

Veja também: Redução de custos e Cálculo ROI na Gestão de Comércio Exterior

Como escolher entre os tipos de Exportação?

Photo by Macau Photo Agency on Unsplash

As opções indiretas ou consórcio conseguem, de modo geral, usufruir dos incentivos e benefícios fiscais ou dos financiamentos de exportação, logo, não tendem a influenciar na decisão.

Como esperado para Comércio Exterior, e para quase tudo na vida, a resposta é “depende” e, diante disso, é importante levantar algumas vantagens e desvantagens de cada, para aplicar em sua situação:

Exportação Direta: vantagens e desvantagens

Nada melhor para ter o controle do que realizar toda a operação, desde a fabricação/compra, até a Exportação para o cliente no exterior.

Contudo, essa centralização exige experiência em Exportação, para que a operação não sofra imprevistos que podem causar desde prejuízos até a perda do cliente.

Por isso ela é mais indicada depois de muita prática na modalidade Indireta ou, ao menos, depois de montar um setor de Comércio Exterior com profissionais experientes na sua empresa.

Veja também: Agente de Carga Internacional: o que é e qual a função deste profissional?

Exportação Indireta: vantagens e desvantagens

Cada um vai fazer e se preocupar especialmente com o que sabe fazer de melhor: o fabricante produz e entrega para Trading Company, que por sua vez exporta, o Importador recebe, todo mundo feliz!

Desde que todos realizem suas obrigações com qualidade.

Porque se o fabricante ou o Exportador falha, ambos perdem.

É uma delícia quando o trabalho em equipe funciona em sintonia, mas chegar nesse nível exige prática, pois não basta ter qualidade no produto e serviço, cada empresa e pessoa são de um jeito e somente no cotidiano é que aprenderão a trabalhar juntos.

Ao mesmo tempo que será um aprendizado para os dois, o fabricante terá o primeiro contato com Exportação, assim como o Exportador aprenderá sobre o produto e o mercado, que será útil na busca de mais clientes e Importadores.

Veja também: O que é Cabotagem? As 5 maiores vantagens da Cabotagem

Consórcio de Exportação: vantagens e desvantagens

Se já não é fácil trabalhar em equipe na Exportação Indireta, certamente que a presença de mais envolvidos vai dificultar…

Quem depende de consórcio para exportar provavelmente não tem escala ou produtos o suficiente para ser competitivo o bastante, sendo assim, não é a melhor opção para o primeiro contato com Exportação.

Todavia, é a oportunidade de desenvolver mais uma opção que, além de sólida, vai contribuir nas vendas e muito provavelmente na margem de lucro.

E mesmo que seu produto seja exportado somente em consórcio, saiba que ele tem qualidade para o mercado internacional, e isso tem valor, não só comercial 🙂

Utilize os tipos de Exportação para crescimento e aprendizado

Se você possui um produto de qualidade, é possível que algum dia uma empresa lhe procure para começar a exportar indiretamente ou por consórcio.

Será a oportunidade te chamando para usufruir dos benefícios de Exportar e recomendo de coração não deixá-la passar.

Do contrário, use-a para aprender sobre Comércio Exterior.

Hoje você exporta por consórcio, amanhã é só você e a Trading Company, depois, se tiver desenvolvido a mindset mentalidade exportadora, será capaz de realizar diretamente.

E quando menos esperar, estará posteriormente exportando com Drawback.

Não é só lucrativo e “chique” exportar, é principalmente uma questão de segurança, quem, além de vender no mercado interno, também exporta, supera qualquer crise com maior facilidade.

Conclusão

Espero que esse artigo tenha sido útil para esclarecer as vantagens e desvantagens dos diversos tipos de exportação. E a sua empresa, faz o caminho para hoje realizar na opção direta?

Para obter assistência especializada e identificar a melhor solução para a sua empresa, entre em contato com a GETT. Não perca tempo:

demonstração grátis sistema comércio exterior

Artigo escrito por Jonas Vieira
Consultor, Escritor e Produtor de Conteúdo de Comércio Exterior
LinkedInInstagramPodcastjonas-vieira.com

Menu