Queda de comércio com EUA afeta exportações brasileiras

O valor das exportações brasileiras recuaram 10,4% na comparação de junho deste ano com o mesmo período do ano passado. No acumulado do primeiro semestre, a queda chegou a 3,5%. Os dados são do Índice de Comércio Exterior (Icomex) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

De acordo com a FGV, o resultado foi puxado pela diminuição nas exportações para os principais parceiros do país: Estados Unidos, China e Argentina. No caso do nosso vizinho sul-americano, o recuo das vendas brasileiras é explicado pela crise econômica naquele país.

No caso da China, que é destino de 26% das nossas exportações, a diminuição do valor exportado em junho foi 4,1%. Segundo a FGV, houve uma queda de 3,7% no volume exportado e de 1,9% no preço desses produtos.

Já com os Estados Unidos, houve uma queda de 12,2% no valor exportado em junho, depois de um crescimento no mês anterior. O preço dos produtos exportados para o mercado norte-americano caiu 10,6% e o volume, 1,6%.

Apesar da queda do valor exportado para outros países, a balança comercial brasileira conseguiu fechar o mês com um saldo positivo de 5 bilhões de dólares e o semestre, com superávit e 26 bilhões.

Norte tem alta

Na contramão dos dados nacionais, as exportações do Rio Grande do Norte de janeiro a maio ficaram 25,2% maiores que as do mesmo período de 2018. Melões, melancias, sal, tecidos de algodão e castanhas de caju foram os produtos com maiores valores exportados no período.

As exportações de maio foram 6,1% menores que as de abril deste ano e 11,7% maiores que as de maio do ano passado. Esses números foram sistematizados e divulgados pelo Centro Internacional de Negócios (CIN) do Sistema FIERN.

Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/07/17/internas_economia,771621/queda-de-comercio-com-eua-afeta-exportacoes-brasileiras.shtml

Menu