Movimentação de contêineres cresce nos portos de Manaus

A Indústria – principalmente o segmento de eletroeletrônico – e a construção civil puxaram o crescimento na entrada e saída de contêineres nos terminais de carga da capital do Amazonas.

Os terminais de carga registraram no período de janeiro a novembro de 2019, um crescimento de 20,90% na movimentação de contêineres, em relação a 2017, totalizando 3.959 milhões de toneladas de mercadorias, entre insumos para as fábricas de eletroeletrônicos, material de construção, produtos de higiene pessoal, produtos alimentícios e congelados. De acordo com dados do Grupo Chibatão, o comércio de Manaus e parte da indústria fecharam 2018 com um crescimento de 12% na importação de produtos e insumos, em relação ao ano anterior.

O presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Jorge Júnior, disse que, como o Processo de Produção Básica (PPB) permite a importação de insumos, e as indústrias de eletroeletrônicos instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) fazem esse tipo de importação, sempre que existe a necessidade de aumentar a produção. Em 2018, segundo o presidente da Eletros, as indústrias de eletroeletrônicos de Manaus tiveram um crescimento na produção que variou de 5% a 8%, ficando abaixo das expectativas iniciais, que era um crescimento de até 15%.

Para este ano, o setor tem números bem conservadores, esperando manter o mesmo índice de crescimento registrado em 2018. “Mas uma análise real do que vai acontecer até o final do ano, teremos apenas no início do segundo semestre”, observou Jorge Júnior. Ele acrescentou que em 2018, o primeiro trimestre foi muito bom para as indústrias de eletroeletrônicos, mas quando finalizou o primeiro semestre, os números estavam abaixo das estimativas iniciais.

No dia 20 de dezembro de 2018, a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) publicou relatório mostrando que de janeiro a outubro o faturamento do PIM apresentou crescimento de 15,06%. Segundo os dados da Suframa, no acumulado de 2018, até outubro, o PIM faturou R$ 76,69 bilhões, o maior faturamento da série histórica em moeda nacional, superando, inclusive, o montante atingido no mesmo intervalo em 2014 (R$ 71,89), pouco antes do início da crise econômica.

O polo de eletroeletrônico teve a maior participação no resultado global de faturamento do PIM, com R$ 21,9 bilhões (US$ 6.1 bilhões) registrados até outubro, o equivalente a 28,59% do total. Em seguida estão os segmentos de bens de informática (R$ 16 bilhões) com participação de 20,97%, duas rodas (R$ 10,8 bilhões) com 14,15%, e o polo químico (R$ 9,45 bilhões) com 12,32%.

Na construção civil houve também crescimento, confirmando os dados do Grupo Chibatão, sobre o transporte de materiais de construção em contêineres. De acordo com o Sindicato das Industrias de Construção Civil no Amazonas (Sinduscon), o melhor trimestre para da história do setor, no Amazonas foi o primeiro de 2016 com 644 unidades, mas ele foi ultrapassado pelo quarto trimestre de 2018, quando foram vendidas 839 unidades. Em segundo lugar está o terceiro trimestre de 2018 com 834 unidades vendidas.

No ano passado, houve o lançamento de um empreendimento residencial vertical no quarto trimestre, que representou 300 unidades. No ano de 2018 foram lançados seis empreendimentos que representaram 2.140 unidades todas do padrão econômico.

Para 2019, administrador do Grupo Chibatão, Jhony Fidelis, disse que o otimismo está bem maior, face ao novo cenário político. “Desta forma, esperamos uma melhor atuação na questão econômica, seja do Governo Estadual e Governo Federal que possam ajudar na retomada do crescimento orgânico e desenvolvimento de nossa região”, destacou.

Fonte: https://d.emtempo.com.br/economia/137120/movimentacao-de-conteineres-cresce-nos-portos-de-manaus