Argentina e Brasil concordam em aumentar a redução tarifária de produtos extras do Mercosul

Em uma clara tentativa de reforçar relações bilaterais entre Brasil e Argentina e ao mesmo tempo dar força ao Mercosul, o presidente argentino Mauricio Macri reuniu-se hoje com o ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que concordou com a proposta dos dois países, de modo que se posam reduzir as tarifas do bloco regional dos produtos extra importados do Mercosul com a idéia de reduzir custos.

Ao mesmo tempo, Macri e Araújo avaliaram a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro visitar a Argentina possívelmente em meados de maio para avançar em novos acordos de integração econômica e política. Embora a data exata ainda não tenha sido marcada para a também visita de Estado que será feita antes da cúpula de presidentes do Mercosul que está em julho na Argentina.

“Temos uma ideia convergente sobre o Mercosul, queremos um Mercosul eficiente e uma plataforma capaz de se integrar com outros blocos”, disse Araújo ao final do encontro com Macri.

Enquanto isso, segundo confirmaram fontes diplomáticas Brasileiras e Argentinas, o fator mais importante da reunião de Araújo e Macri foi o que se decidiu quanto a promosta comum que agora se levará como projeto ao Mercosul, para que se estabeleça uma lista de produtos importados da zona extra bloco regional, com o fim de reduzir custos de produção.

“A idéia é que haja um acordo inteligente e cuidadoso, sem invasão de produtos importados, mas que a redução das tarifas extras no Mercosul servirá para incentivar a produção local”, disse um funcionário do Itamaraty à Infobae.

Assim, Macri e Bolsonaro estabeleceram uma proposta do Mercosul extras baixas tarifas sobre bens de capital substancialmente em máquinas, computadores ou ferramentas, a fim de reduzir os custos dos empresários da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

Em breve se saberá a data do encontro

Enquanto não foi decidida a data exata da visita Bolsonaro a Argentina se soube que houve um acordo que tem lugar em meados de Maio, como após essa data o Governo vai entrar em um forte ritmo de campanha eleitoral e Presidente O Brasil não quer se intrometer na agenda doméstica.

Durante o encontro com Macri, em Olivos, o ministro das Relações Exteriores, Araújo, transmitiu a intenção de Bolsonaro de avançar imediatamente com as negociações de um acordo entre a União Européia e o Mercosul. A possibilidade também foi mencionada de que a próxima visita de Macri à Bélgica se reunirá com as autoridades da União Européia para transmitir a intenção do Brasil de adiantar esse acordo o quanto antes.

A situação delicada na Venezuela, onde o Brasil e a Argentina exigem o regime de Nicolás Maduro para restabelecer o sistema democrático e as liberdades, também foi analisada. É categoricamente descartou a hipótese de uma invasão militar da Venezuela, embora existam acordos entre Bolsonaro e Macri para a próxima reunião de Chefes de Estado do Grupo de Lima aumentou a pressão internacional sobre o regime venezuelano.

O chanceler Araújo, que visitou Macri na residência Olivos mais tarde mudou-se para o Palácio San Martin, onde se encontrou com o chanceler Jorge Faurie e secretário de Relações Econômicas do Ministério das Relações Exteriores Horacio Reyzer.

Ontem, em diálogo com Infobae Bolsonaro ministro das Relações Exteriores ele havia dito que o Brasil vai fazer “um compromisso com o Mercosul e sua flexibilidade”, como a que as perspectivas de cada país a realizar nas negociações comerciais futuras com países terceiros. “Vamos seguir com grande ênfase o que estamos fazendo agora: a União Européia, o Canadá ou a Coréia, e a idéia é que os parceiros do Mercosul possam fazer coisas diferentes”, disse Araújo.

Fonte: https://www.infobae.com/politica/2019/04/10/argentina-y-brasil-acordaron-impulsar-una-baja-en-los-aranceles-de-productos-extra-mercosur/