Arquivos da categoria: Outros

IBGE projeta crescimento de 30,4% para 240,9 milhões de toneladas na safra agrícola em 2017

Brasília – A safra brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar 2017 com um crescimento de 30,4% em relação ao ano passado. Segundo a estimativa de agosto deste ano, do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado ontem (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ano deve ser encerrado com uma safra de grãos de 240,9 milhões de toneladas.

A estimativa de agosto é, no entanto, 0,5% inferior ao levantamento de julho, ou seja, 1,2 milhão de toneladas a menos do que o IBGE previu na ocasião.

Com alta esperada de 19,6% em relação a 2016, a produção de soja deve ter safra recorde de 115 milhões de toneladas. Para o milho, que deverá ter aumento de 54,7% na produção, também é esperado  resultado recorde, de 98,4 milhões de toneladas.

É estimada ainda alta na produção do arroz (16,2%). Vinte dos 26 produtos pesquisados pelo IBGE devem ter crescimento, entre eles o café canephora (33,3%), as três safras de feijão (40%, 26,9% e 7,2%, respectivamente), a laranja (6,9%), o algodão herbáceo (10,5%), a cebola (7,8%), cana-de-açúcar (1,3%) e as três safras de batata-inglesa (5,1%, 7,2% e 2,8%).

Entre os seis produtos com queda estimada na produção aparecem o trigo (-18,8%), café arábica (-13,1%) e a mandioca (-12,6%).

Área colhida

O IBGE estima aumento de 7% na área colhida, em relação a 2016. O total deve chegar a 61,1 milhões de hectares, área 0,05% inferior à estimativa de julho. Entre as três principais lavouras, são esperados acréscimos na área colhida da soja, de 2,3%, do milho, de 18,1%, e do arroz, de 4%.

(*) Com informações da Agência Brasil

Fonte: https://www.comexdobrasil.com/ibge-projeta-crescimento-de-304-para-2409-milhoes-de-toneladas-na-safra-agricola-em-2017/

MDIC: Balança tem superávit de US$ 1,37 bi nas primeiras semanas de setembro

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,376 bilhão nas duas primeiras semanas de setembro, que totalizou cinco dias úteis, resultado de US$ 4,560 bilhões em exportações e US$ 3,184 bilhões em importações no período, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços (Mdic).

Soma – No ano, as exportações brasileiras somam US$ 150,502 bilhões e, as importações, US$ 101,021 bilhões, resultando num saldo positivo de US$ 49,481 bilhões.

Vendas – Nas exportações, comparadas as médias até a segunda semana de setembro com as do mês de setembro de 2016, houve crescimento de 21,2%, em razão do aumento nas vendas de produtos básicos (+28,7%, de US$ 312,4 milhões para US$ 402,2 milhões, por conta, principalmente, de soja em grãos, milho em grãos, minério de cobre e carnes bovina, suína e de frango, minério de ferro) e manufaturados (+28,7%, de US$ 292,1 milhões para US$ 376,1 milhões, por conta de aviões, óxidos e hidróxidos de alumínio, automóveis de passageiros, motores e turbinas para aviação, torneiras, válvulas e partes).

Queda – Por outro lado, caíram as vendas de produtos semimanufaturados (-4,7%, de US$ 129,9 milhões para US$ 123,8 milhões, por conta, principalmente, de semimanufaturados de ferro/aço, celulose, óleo de soja em bruto, açúcar em bruto, manteiga, gordura e óleo, de cacau).

Média diária – Nas importações, a média diária até a 2ª semana de setembro ficou 11,5% acima da média de setembro de 2016. Nesse comparativo, aumentaram os gastos, principalmente, com adubos e fertilizantes (+81,1%), equipamentos eletroeletrônicos (+29,1%), siderúrgicos (+27,3%), químicos orgânicos e inorgânicos (+15,0%) e veículos automóveis e partes (+14,4%). Ante agosto de 2017, registrou-se crescimento de 5,5%, pelo aumento nas compras de adubos e fertilizantes (+48,6%), alumínio e obras (+45,6%), equipamentos mecânicos (+19,6%), químicos orgânicos e inorgânicos (+11,2%) e equipamentos eletroeletrônicos (+8,4%). (Valor Econômico)

Fonte: http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/114700-mdic-balanca-tem-superavit-de-us-137-bi-nas-primeiras-semanas-de-setembro

CEST – O que é? Quando é obrigatório? Como parametrizar? Como saber o CEST do produto?

O que é o CEST?

O CEST (Código Especificador da Substituição Tributária) é uma forma de uniformização e identificação das mercadorias e bens passíveis de sujeição aos regimes de substituição tributária e de antecipação de recolhimento do ICMS com o encerramento de tributação, relativos às operações subsequentes, conforme definições do Convênio ICMS 92, de 20 de agosto de 2015.

Ao emitir uma NF-e com uma mercadoria sujeita a essa identificação, o CEST dessa mercadoria deverá ser informado no XML.

Qual a data de obrigatoriedade para informar o CEST?

O campo CEST (Código Especificador da Substituição Tributária) no produto da Nota Fiscal será validado como obrigatório pela Sefaz em 01/04/2018. Porém, conforme o Convênio ICMS 60/2017 (o qual alterou os Convênios ICMS 92/15 e ICMS 52/17), mesmo que a validação na NF-e só ocorrerá em 2018, o calendário previsto na legislação deve ser cumprido pelos contribuintes, iniciando a exigência conforme os segmentos:

a) 1º de julho de 2017, para a indústria e o importador
b) 1º de outubro de 2017, para o atacadista
c) 1º de abril de 2018, para os demais segmentos econômicos

Visto que empresas dos diferentes segmentos utilizam o Smarter, o sistema cobrará a obrigatoriedade no campo CEST conforme a obrigatoriedade para a NF-e, que é a partir de 01/04/2018. Até então, o campo é opcional nos produtos, devendo cada empresa informar o CEST quando for aplicável para o seu segmento.

Como parametrizar o CEST no seu sistema?

O CEST deve conter 7 números, sem pontuação e deve ser incluído junto ao cadastro do seu produto.

Quando é obrigatório informar o CEST no produto da Nota Fiscal?

O CEST será validado como obrigatório pela Sefaz nos produtos da NF-e, quando a mercadoria está sujeita aos regimes de Substituição Tributária e de Antecipação do Recolhimento do Impostos.

Então, ao utilizar para o ICMS um dos CSTs abaixo, será obrigatório informar o CEST no respectivo campo do produto da NF (abaixo dos grupos de cálculo do ICMS e ICMS ST):

Regime Normal:
10 – Tributada com cobrança do ICMS por substituição tributária
30 – Isenta e não tributada, com cobrança do ICMS por substituição Tributária
60 – ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária
70 – Com redução de base de cálculo e cobrança do ICMS por substituição tributária
90 – Outras (desde que foi informada % ICMS ST)

Simples Nacional:
201 – Tributada pelo Simples Nacional com permissão de crédito e com cobrança do ICMS por substituição tributária
202 – Tributada pelo Simples Nacional sem permissão de crédito e com cobrança do ICMS por substituição tributária
203 – Isenção do ICMS no Simples Nacional para faixa de receita bruta e com cobrança do ICMS por substituição tributária
500 – ICMS cobrado anteriormente por substituição tributária ou por antecipação -> novo na lista de CSTs
900 – Outros (desde que foi informada % ICMS ST)

Independentemente do CST utilizado, o Smarter sempre disponibiliza o campo CEST no item da Nota Fiscal. Mas o sistema somente cobrará a obrigatoriedade de acordo com o CST em 01/04/2018. O campo sempre é disponibilizado para atender ao Convênio ICMS 146/2015, que determinou:

 

Cláusula primeira Os dispositivos a seguir indicados do Convênio ICMS 92/15, de 20 de agosto de 2015, passam a vigorar com as seguintes redações:

II – o § 1° da cláusula terceira:

“§ 1º Nas operações com mercadorias ou bens listados nos Anexos II a XXIX deste convênio, o contribuinte deverá mencionar o respectivo CEST no documento fiscal que acobertar a operação, ainda que a operação, mercadoria ou bem não estejam sujeitos aos regimes de substituição tributária ou de antecipação do recolhimento do imposto.”

 

Como saber se o produto está em algum dos segmentos que possuem CEST?

Para saber se o seu produto está no segmento que possui CEST, devendo este ser informado na Nota Fiscal, é preciso acessar o Convênio ICMS 146/2015, localizar a NCM do produto e encontrar o CEST desta NCM.

A mesma NCM pode conter diferentes CEST para o mesmo produto, um CEST específico para cada segmento. Então deve ser observado o CEST específico do seu segmento:

SEGMENTOS DE MERCADORIAS

  1. Autopeças
  2. Bebidas alcoólicas, exceto cerveja e chope
  3. Cervejas, chopes, refrigerantes, águas e outras bebidas
  4. Cigarros e outros produtos derivados do fumo
  5. Cimentos
  6. Combustíveis e lubrificantes
  7. Energia elétrica
  8. Ferramentas
  9. Lâmpadas, reatores e “starter”
  10. Materiais de construção e congêneres
  11. Materiais de limpeza
  12. Materiais elétricos
  13. Medicamentos de uso humano e outros produtos farmacêuticos para uso humano ou veterinário
  14. Papéis
  15. Plásticos
  16. Pneumáticos, câmaras de ar e protetores de borracha
  17. Produtos alimentícios
  18. Produtos cerâmicos
  19. Produtos de papelaria
  20. Produtos de perfumaria e de higiene pessoal e cosméticos
  21. Produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos
  22. Rações para animais domésticos
  23. Sorvetes e preparados para fabricação de sorvetes em máquinas
  24. Tintas e vernizes
  25. Veículos automotores
  26. Veículos de duas e três rodas motorizados
  27. Vidros
  28. Venda de mercadorias pelo sistema porta a porta

Como saber se a NCM possui mais de um CEST (variando por produto)?

É importante observar que a NCM pode conter mais de um CEST, neste caso é porque o CEST varia por alguma especificação do produto. Exemplo da NCM 2201.10.00:

NCM = 2201.10.00
Descrição = Água mineral, gasosa ou não, ou potável, naturais, em garrafa de vidro, retornável ou não, com capacidade de até 500 ml
CEST = 03.001.00

NCM = 2201.10.00
Descrição = Água mineral, gasosa ou não, ou potável, naturais, em embalagem com capacidade igual ou superior a 5.000 ml
CEST = 03.002.00

NCM = 2201.10.00
Descrição = Água mineral, gasosa ou não, ou potável, naturais, em embalagem de vidro, não retornável, com capacidade de até 300 ml
CEST = 03.003.00

Mudança no suporte remoto do CMX e SMARTER

Informamos que o Skype “suporte.gett” foi desativado em 09/03/2015.

A abertura de chamados deverá ser feita através do Portal de Suporte, onde você pode  acompanhar o atendimento em tempo real, além de interagir no mesmo até seu encerramento e avaliação do atendimento.

Para acessar o Portal:
Link: http://www.oasis.bysoft.com.br/portal-cliente/login.php
Login: É o seu e-mail
Senha: bysoft123

Você pode alterar a senha ao acessar o portal.

Na aba “Consultar chamados”, você encontrará todos os seus chamados abertos. Para abrir um novo chamado, clique em “Abrir novo chamado”.

Todas as respostas e interações do Suporte no chamado serão notificadas por e-mail para você.

Caso você esteja com dificuldades no acesso ao Portal, entre em contato conosco através dos meios abaixo:

Atenciosamente,
Equipe de Suporte GETT/Bysoft